RESTINGA
ONGs, associação e escola plantam mil mudas na praia Vermelha do Norte

Neste final de semana mil mudas foram plantadas na praia Vermelha do Norte, em Ubatuba. Duas áreas, uma de aproximadamente 5 mil m² e outra de 400 m², receberam mudas de espécies como aroeira-pimenteira, goiaba, jerivá, quina-de-são-paulo, mulungu, pata-de-vaca, mutambo e chal-chal.

Os locais onde estão as mudas foram cercados e placas sinalizam as novas áreas de restauração ecológica, onde a vegetação está em recuperação e não é permitido jogar lixo nem danificar as plantas.

“É uma restauração ecológica de uma área de restinga, que já estava degradada há muito tempo, então a gente trouxe algumas espécies nativas produzidas no viveiro da Pick-upau”, explica Julio Andrade da ONG Pick-upau, com sede na cidade de São Paulo. A ação foi uma parceira dessa organização com a Catamaran, Aproven e ETEC Tancredo Neves, de Ubatuba.

Andrade conta como o grupo escolheu realizar o plantio na praia Vermelha do Norte. “É uma das poucas praias que fica à beira da estrada e que não tem uma ocupação muito grande. Ela tem muita área de APP do lado oposto da rodovia, a gente costuma fazer monitoramento de avifauna lá, então a gente vê aqui uma questão ecológica muito forte”, comenta.

Para Douglas da Silva Menezes, membro da ONG Catamaran, também trata-se de uma área especial para preservação. “É uma vegetação que protege essa região de dunas, onde tem o movimento de marés, então é muito importante”, aponta.

Diversos voluntários estiveram presentes nos dois dias. “A intenção é reflorestar. O trabalho está sendo bem forte. Vieram surfistas e pessoas que frequentam aqui, teve um público legal”, conta Cleiton dos Santos, vice-presidente da Associação de Proteção à Vermelha do Norte (PROVEN).

Alunos da ETEC Tancredo Neves do curso técnico de meio ambiente participaram do plantio. “Os alunos têm algumas disciplinas que estão relacionadas com essa parte de reflorestamento, de paisagismo, de ecoturismo. Isso é uma oportunidade dos alunos colocarem em prática aquilo que estão aprendendo, e um grande benefício para Ubatuba, que vai ter essa praia toda reflorestada”, diz o professor Leandro Lagoz. Os alunos também estarão envolvidos no monitoramento e manutenção das mudas.

Paulo Cesar Teixeira, guia de turismo e aluno de meio ambiente do Tancredo, esteve presente nos dois dias da ação. Na manhã deste domingo, utilizando uma roçadeira, ele removia de uma área o capim-melado (ou capim-gordura), planta forrageira que precisa ser retirada para dar espaço para o crescimento das mudas nativas. “Quem sabe daqui a quatro ou cinco anos veremos nessa área que hoje só tem capim-melado, outras plantas que vão trazer mais animais, então teremos uma flora e uma fauna muito rica, interessante pro próprio turismo”, projeta Teixeira.

O evento foi parte do projeto Aves da Mata Atlântica, que tem o patrocínio da Petrobras. A ação também contou com apoio da Wizard Idiomas, Ki-Beirute, GP Revestimentos, Academia Água e Vida e Pousada do Dado.