LAGOINHA
As ruínas que a floresta abraçou

É na região sul de Ubatuba, no bairro da Lagoinha, que ficam as ruínas do antigo engenho da fazenda Bom Retiro, construído em 1828.

Basta seguir até o final da Avenida do Engenho Velho para encontrar o que restou da grande construção de pedras onde, no passado, foram produzidas toneladas de açúcar e cachaça pela mão-de-obra escrava.

As ruínas foram tombadas em 1985 como bem cultural de interesse paisagístico-turístico do Estado. Desde 1989, o local é administrado e mantido pela Fundação de Arte e Cultura de Ubatuba (Fundart).

Atualmente, as ruínas encontram-se envoltas por raízes, troncos e folhas que se integram à construção parecendo adornos. O resultado é um cenário deslumbrante, utilizado para produções fotográficas e audiovisuais.

Segundo informações disponíveis no museu histórico de Ubatuba, durante trabalhos de revitalização realizados há 16 anos, foram encontrados vários objetos relacionados a castigos e ao cárcere de escravos. Gargalheiras de ferro que eram colocadas no pescoço deles para evitar fugas e calcetas que se prendiam ao tornozelo e dificultavam o passo, algumas ainda com as correntes que os aprisionavam, estão expostas no museu.

A visita às ruínas é um passeio imperdível, não apenas para apreciar sua beleza, mas para refletir sobre o passado do Brasil.

 MUSEU HISTÓRICO

O museu histórico “Washington de Oliveira” reúne informações e objetos sobre a história, cultura e tradição de Ubatuba. Localizado na Praça Nóbrega, no centro da cidade, fica aberto para visitação de segunda a sexta, das 9 às 12, e das 14 às 17 horas. A entrada é gratuita. O local onde hoje funciona o museu foi projetado por Euclides da Cunha (1866-1909), autor do famoso livro “Os Sertões”, na época funcionário do Governo do Estado de São Paulo, para ser a primeira cadeia de Ubatuba. Por isso, o prédio é conhecido como Cadeia Velha.