COLUNA FAUNA TAMOIA - GUILHEME FLUCKIGER
É mariposa ou borboleta?

Borboleta carteiro vermelho (Heliconius erato phyllis) em um jogo de cores sobre uma planta exótica. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Chegando o carnaval e pra quem ainda não sabe qual fantasia usar, uma dica para se inspirar é dar uma olhadinha nas cores e desenhos das borboletas e mariposas. Elas pertencem a uma mesma ordem da classe dos insetos, assim como suas lagartas e taturanas. As duas possuem muitas características em comum e algumas pequenas diferenças, mas ambas são importantíssimas para um ambiente ecologicamente equilibrado.

Escamas que colorem

A ordem das borboletas e mariposas é a Lepidoptera, que vem do grego Lepido – escamas e pteron – asas, chamando a atenção para essa característica marcante que são as micro escamas cobrindo as asa e que dão o colorido especial delas. Os desenhos tão perfeitos e chamativos são formados pela disposição das milhares de pequeníssimas escamas, cada qual com sua cor, espalhadas pelas asas e corpo. Assim como os enfeites carnavalescos são distribuídos pelos carros alegóricos e as lantejoulas pelas fantasias para ser apreciados à distância, as escamas dão o mesmo efeito às asas de um lepidóptero.

E o pó que borboletas e mariposas liberam quando manuseadas nada mais são do que essas micro escamas que se soltam do corpo e das asas, assim como as lantejoulas e outros adereços são jogados durante a festa de carnaval. Essas escamas não são tóxicas nem causam cegueira, seu efeito é como o de qualquer outro pó, com exceção dos pelos urticantes das mariposas do gênero Hylesia, único gênero no qual as adultas causam alguma irritação. Normalmente apenas algumas lagartas queimam com suas cerdas urticantes, as chamadas taturanas.

 

O desenho das asas dos lepidópteros, como essa borboleta do gênero (Hermeyptychia) é formado pela disposição das pequenas escamas que recobrem as asas. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Alguns desenhos são bem ricos em detalhes, como dessa capitão do mato (Morpho sp) que ainda conta com um azul lindo na parte de cima da asa. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Outros desenhos chegam a formar número como a borboleta 88 (Diaethria clymena meridionalis) que possui esse número gravado em suas asas. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

As mariposas também possuem desenhos interessantes em suas asas, embora boa parte tenha cores mais discretas como essa (Xanthophaeina levis). (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Alguns desenhos imitam grandes olhos para parecer maior e espantar possíveis predadores como é o caso dessa mariposa (Automeris annulata). (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Outros desenhos tentam mimetizar o ambiente como uma folha com a ponta seca, no caso dessa borboleta (Anteos menippe). (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Ou uma folha quase seca como é o caso dessa mariposa (Epia muscosa). (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Mariposa (Hylesia paulex) possui pelos urticantes principalmente na área do abdômen e podem causar irritação cutânea. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Lagarta da mariposa do gênero (Automeris) se camuflando com o ambiente, porém suas cerdas são urticantes. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Muitas opções de fantasia

A ordem Lepidoptera é a segunda maior, perdendo apenas em quantidade de espécies para os besouros (ordem Coleoptera). Juntando essas duas ordens podemos ter muitas inspirações de desenhos e cores para fantasias carnavalescas, já que são cerca de 150 mil espécies de borboletas e mariposas (a maior parte de mariposas) catalogadas e cerca de 350 mil espécies de besouros.

Aqui no Brasil muitas espécies ainda não foram descritas, especialmente de mariposas. Estima-se que existam mais de 23 mil espécies para pouco mais de 3200 espécies de borboletas. Minha lista de quintal já conta com cerca de 200 espécies de mariposas e pouco mais de 30 borboletas.

 

Mariposa (Idalus dares) com seu desenho bem carnavalesco contrastando com o branco em suas asas. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Com asas transparentes, as cores bem reluzentes estão presentes no corpo da mariposa (Cosmosoma auge). (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

E o macho da mariposa (Ceroctena amyntha) além do belo desenho nas asas possui pelos extras para chamar atenção da fêmea. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Já as cores das asas são mais discretas na borboleta (Pierella nereis), que vive em ambientes mais fechados e escuros. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Algumas espécies possuem prolongamento nas asas como no caso dessa mariposa (Nothus lunus). (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

E até as lagartas possuem desenhos fantásticos como essa lagarta de alguma mariposa da família Limacodidae. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Algumas mariposas, como a (Callinomia falcifera) tem asas e corpos bem adaptados para voar rapidamente. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

As mariposas do gênero (Diaphania) geralmente possuem um tufo na parte posterior do corpo. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Desfile completo

O ciclo de vida de um lepidóptero é um verdadeiro desfile com 7 ou mais fases, tomando todas as alas de um desfile carnavalesco. Geralmente o adulto põe os ovos em alguma folha que servirá de alimento para a lagarta que eclodirá desse ovo. A lagarta irá se desenvolver passando por 4 a 8 fases diferentes (instares) até empupar e se tornar uma pupa ou também chamada de crisálida. Finalmente da crisálida saíra a borboleta ou mariposa adulta ‘renascendo’ e fechando o ciclo.

 

Lagarta de uma mariposa da família Geometridae, mede palmos ou agrimensora, como é conhecida por seu jeito de andar.

 

Lagarta da borboleta (Heliconius erato), que se alimenta especialmente das folhas de maracujá.

 

Polinizar e controlar

Todos conhecem bem duas funções das borboletas e lagartas, a polinização e a herbivoria, respectivamente. Mas as mariposas, assim como as borboletas, também possuem o aparelho bucal sugador ou tromba, para sugar o néctar das flores, sendo importantes polinizadores das espécies vegetais cujas flores só se abrem durante o período noturno. Há algumas espécies, tanto de borboletas como de mariposas, que também utilizam a tromba para sugar outros líquidos como de frutas podres, urina e fezes animais, encharcados contendo sais minerais como em poças, na areia ou em beiras de rios. E há ainda alguns adultos que não possuem a tromba e não se alimentam nessa curta fase do ciclo de vida.

A maior parte das lagartas se alimentam de folhas e muitas são conhecidas como pragas, mas na realidade elas possuem uma função ecológica importante de manter o equilíbrio natural entre as espécies vegetais. Em uma monocultura há um excesso daquele vegetal dominando e desequilibrando o ambiente, reduzindo a biodiversidade local e as lagartas nada mais fazem do que atuar em seu papel de restaurador do ambiente, aproveitando a farta quantidade de alimentos aglomerados naquele local.

E tanto as borboletas e mariposas, quanto suas lagartas servem de alimento para uma porção de animais, como as aves, morcegos, aranhas, lagartos, anfíbios, pequenos mamíferos, entre outros. As lagartas ainda são usadas como hospedeiros de outros insetos, como as vespas e moscas que colocam seus ovos na lagarta, e ao eclodirem se alimentam das partes internas da lagarta provocando sua morte.

 

Borboleta monarca (Danaus gilipus) sugando o néctar de uma flor com sua tromba sugadora. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Lagartas em repouso sob uma folha, assim que entrarem em atividade são capazes de ingerir grandes quantidades de folhas. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Borboletas (Marpesia zerynthia) em busca de sais minerais sobre rochas molhadas próximas ao rio. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Lagarta morta ao ser parasitada por larvas de outros insetos. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Dia e noite

Assim como no carnaval, temos movimentação durante dia e noite, no caso das borboletas principalmente durante o dia e das mariposas especialmente no período noturno. Mas há uma diferença mais marcante nas antenas, as das borboletas se dilatam na ponta (antena clavada), enquanto as mariposas possuem antenas de diversos outros formatos. Quanto à posição de descanso, as borboletas mantém as asas juntas de forma perpendicular ao corpo, mostrando a face de baixo das asas, enquanto as mariposas ‘deitam’ suas asas por cima do corpo. E o corpo de uma mariposa normalmente é mais robusto que de uma borboleta, mas sempre há exceções a essas regras, especialmente a essa última na qual há diversas famílias de mariposas com corpos bem fininhos. Também dizem que as cores de mariposas são mais discretas, mas também há muitas espécies tão ou mais coloridas que borboletas.

 

Antenas dilatadas na ponta e asas na posição vertical em descanso são características das borboletas, como essa (Eueides isabella dianasa). (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

A borboleta (Eurema albula) se alimenta do néctar de uma flor durante o dia, assim como maior parte das borboletas que possuem hábitos diurnos. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

As antenas de uma mariposa variam bastante em formato, podendo ser em forma de pluma, como a da mariposa (Copaxa decrescens). (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Na posição de descanso as mariposas costumam ficar com as asas paralelas ao corpo, como essa Letis occidua. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

Notívagas, as mariposas costumam ter o corpo um pouco mais robusto e as asas podem assumir o formato de telhado, como no caso da mariposa do gênero Chliara. (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

A noite é das mariposas. Mariposa (Sarsina purpurascens). (Foto: Guilherme Fluckiger)

 

E então, escolheu a sua mariposa ou borboleta para inspirar sua fantasia?

 

Que tal uma fantasia inspirada na mariposa (Phrygionis incolorata)? (Foto: Guilherme Fluckiger)