POLÍTICA
Após repercussão, Secretário afirma que oficinas de esporte serão retomadas

Na manhã dessa sexta-feira (15) o secretário municipal de Educação de Ubatuba, Helio José de Paula, afirmou que serão retomadas todas as atividades que eram oferecidas aos alunos da rede pública no contraturno escolar. O secretário prometeu divulgar ainda hoje à tarde uma nota pública anunciando e explicando detalhes da retomada das atividades, que devem passar para a competência da Secretaria de Esportes. De acordo com o secretário, além dos cerca de 1.500 alunos já atendidos, os programas deverão ser ampliados para atender a mais crianças.

Na última quarta-feira, os pais dos estudantes haviam sido comunicados que os programas seriam cortados e as atividades extra-classe suspensas, o que gerou protestos e uma enorme repercussão negativa.

Os detalhes do novo modelo estavam sendo discutidos em uma reunião com representantes das secretarias além do assessor de relações federativas da Prefeitura, Renato Vella. Não estava presente, no entanto, o secretário de Esportes, Marcelo Surcin (PRB), que também não foi encontrado por nossa reportagem na Secretaria de Esportes.

Também na manhã dessa sexta, um grupo de pais e estudantes se concentrou na frente do ginásio “Tubão” e da Piscina Municipal e manifestou seu descontentamento.

Taís Silva conta que seu filho perdeu as aulas de surf, judô e reforço escolar no contraturno e que sua irmã mais nova terá de deixar o Atletismo. “Já cortaram o ônibus no começo do ano, então a gente tinha que estar levando e buscando nossos filhos”, relata a moradora do bairro do Horto. Ela conta que seu filho gostava muito e que as atividades estavam sendo boas para seu desenvolvimento. “Os professores, mesmo com material precário se viravam para dar atenção para os alunos. Eles compravam parafina do próprio bolso”, conta. Ela afirma que se as atividades não fores retomadas, seu filho terá que ficar a manhã toda em casa, uma vez que ela não tem dinheiro para pagar por atividades esportivas para ele.

O professor Marcelo Voos disse que foi pego de surpresa na quarta-feira quando foi informado de que deveria passar bilhete comunicando aos pais dos alunos o fim das atividades. O professor comentou o vídeo publicado nas redes sociais pelo secretário em que Hélio declara que os cortes ocorreram porque a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei Federal 9394/96) obriga que os recursos da Educação sejam aplicados apenas em sala de aula. “Eu conheço a LDB e em nenhum momento a lei fala sobre isso”, comentou Voos.

Daniel Henrique Aquino, morador da Estufa II, conta que demorou muito para conseguir vaga para sua filha nas aulas de natação. Depois que conseguiu vaga, teve que pagar para fazer exames médicos, uma vez que a espera para fazer os exames pelo SUS também estava muito grande. “Depois de um período que não tinha aula por causa dos equipamentos que estavam quebrados, ela teve uma aula só. Aí já veio a notícia que ia cortar”, lamentou.